Fábricas deixam a Argentina e migram para o Brasil

Fábricas deixam a Argentina e migram para o Brasil

Ao menos três empresas do setor automotivo anunciaram, nas últimas duas semanas, o fechamento de fábricas na Argentina e a migração das operações para o Brasil. Primeiramente foram a Basf e a Axalta, companhias que produziam tintas e resinas para automóveis, a anunciar a migração na semana passada. Agora, a Saint-Gobain Sekurity, de origem francesa, fechou um acordo de demissão para seus 150 funcionários. A planta, especializada na produção de vidros para para-brisa, será incorporada pela subsidiária brasileira.

As decisões colocam em xeque a política industrial do atual presidente do país, Alberto Fernandez. A Saint-Gobain montou a fábrica em 2016 ao custo de 200 milhões de dólares, num acordo com o ex-ocupante da Casa Rosada, Mauricio Macri.

Em novembro de 2019, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, de forma atabalhoada, que o governo havia mapeado empresas que estavam dispostas a trocar a Argentina pelo Brasil. Em publicação no Twitter, ele afirmou que as multinacionais Honda, MWM e L’Óreal decidiram cruzar a fronteira, citando uma “nova confiabilidade do investidor” no país que ajudará a criar novos empregos. Dada a repercussão negativa da publicação, cerca de uma hora depois, a postagem foi apagada.
 
A Argentina não vive o momento de crise que sofreu entre os anos 1990 e 2010. No entanto, a deterioração dos fundamentos econômicos locais permanece. Ao início desta década, era possível comprar 1 dólar com menos de 4 pesos. Dez anos depois, são necessários 71 pesos para adquirir um mísero dólar, perfazendo uma desvalorização de 1.675% no período.
 
FONTE: VEJA
São Paulo reabre parques estaduais a partir desta segunda-feira

São Paulo reabre parques estaduais a partir desta segunda-feira

Os parques estaduais localizados na cidade de São Paulo serão reabertos para visitação a partir desta segunda-feira (13). No entanto, haverá controle do acesso de visitantes aos parques, que permanecerão fechados nos fins de semana, com exceção do Zoológico, do Zoo Safari e do Jardim Botânico. A ideia é que as pessoas frequentem os parques somente para praticar atividades físicas, desde que de forma isolada e mantendo distância de outros visitantes.

O governo paulista recomenda que pessoas que fazem parte de grupo de risco, como idosos ou que tenham comorbidades, continuem mantendo o isolamento e que aqueles que queiram ir aos parques estaduais levem pelo menos duas máscaras, já que o suor pode prejudicar a eficácia do equipamento de proteção. “Minha recomendação é ter duas máscaras", disse o governador João Doria. Ele explicou que a primeira máscara, que deve permitirar a respiração durante a atividade física, pode ficar úmida depois disso e tem que ser trocada. Ao chegar em casa, é preciso lavar as duas máscaras”, acrescentou.

O uso de máscara será obrigatório em todos os parques estaduais. Segundo a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente, haverá totens com álcool gel em pontos estratégicos de cada um deles. A secretaria administra 16 parques estaduais na capital paulista, sendo 11 urbanos, dois ambientais e três naturais (Zoológico, Zoo Safari e Jardim Botânico). A abertura desses locais está sendo permitida somente para municípios que estejam localizados em regiões que estão na Fase 3-Amarela do Plano São Paulo.

O plano é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul). Ele também é regionalizado, ou seja, o estado foi dividido em 17 regiões [com a região metropolitana dividida em cinco sub-regiões] e cada uma delas é classificada em uma fase. 

Os parques estaduais urbanos Villa-Lobos, Candido Portinari, Água Branca e Ecológico do Tietê, localizados na cidade, vão funcionar de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h. No entanto, alguns espaços desses parques, como bibliotecas, salas de atividades, museus e orquidários, permanecerão fechados. A Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente recomenda visitas aos parques apenas para atividades físicas individuais como corridas, caminhadas e ciclismo.

O mesmo horário será seguido pelos parques estaduais naturais Jaraguá e Cantareira (Núcleo Pedra Grande),mas as visitas deverão ser marcadas com antecedência mínima de 24 horas por meio do site da Fundação Florestal, órgão responsável pelas duas unidades de conservação. Nesses locais será obedecido o limite de 30% de sua capacidade. As trilhas com ocorrência de mamíferos e cachoeiras permanecerão fechadas.

Já o Zoológico, o Zoo Safari e o Jardim Botânico estarão abertos de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h; e aos sábados, domingos e feriados das 9h às 16h, com restrição de 50% de venda dos ingressos. Nesta etapa, apenas a área de visitação aberta poderá ser frequentada. Os espaços fechados, tais como as exposições educativas, continuarão sem receber visitantes.

Para visitação ao Zoo Safári, será permitido uso apenas de veículos particulares (o serviço de vans estará suspenso). O acesso às áreas comuns, como sanitários, lanchonetes e loja de lembranças, será permitido mediante utilização de máscara. Para o acesso de veículos, haverá desinfecção das rodas por meio de pulverizador e solução de hipoclorito de sódio na portaria.

Os protocolos estão disponíveis no site da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente.

Parques temáticos

Os parques temáticos e de diversão, porém, só poderão reabrir a partir de 12 de outubro em regiões que estejam na Fase 4-Verde do Plano São Paulo há pelo menos 28 dias consecutivos. No momento, nenhuma região do estado está nesta fase.

Quando forem reabertos, os parques temáticos terão que obedecer a protocolos que estabelecem ocupação máxima de 60%, público em pé com distanciamento social e uso obrigatório de máscaras em todos os ambientes.  

FONTE: AGÊNCIA BRASIL

 
Mercado financeiro projeta queda de 6,1% na economia neste ano

Mercado financeiro projeta queda de 6,1% na economia neste ano

A previsão do mercado financeiro para a queda da economia brasileira este ano foi ajustada de 6,50% para 6,10%. A estimativa de recuo do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – está no boletim Focus, publicação divulgada todas as semanas pelo Banco Central (BC), com a projeção para os principais indicadores econômicos.

Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, a mesma previsão há sete semanas consecutivas. Em 2022 e 2023, o mercado financeiro continua a projetar expansão de 2,50% do PIB.

Inflação

As instituições financeiras consultadas pelo BC aumentaram a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 1,63% para 1,72%, neste ano.

Para 2021, a estimativa de inflação permanece em 3%, há quatro semanas consecutivas. A previsão para 2022 também não teve alteração: 3,50%. Para 2023, a estimativa passou de 3,42% para 3,25%.

A projeção para 2020 está abaixo do piso da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,5% e o superior, 5,5%.

Para 2021, a meta é 3,75%, para 2022, 3,50%, e para 2023, 3,25%, com intervalo de 1,5 ponto percentual, em cada ano.

Selic

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, estabelecida atualmente em 2,25% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Para o mercado financeiro, a expectativa é que a Selic encerre 2020 em 2% ao ano. Para o fim de 2021, a expectativa é que a taxa básica chegue a 3% ao ano. Para o fim de 2022, a previsão é 5% ao ano e para o final de 2023, 6% ao ano.

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica. Entretanto, os bancos consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Dólar

A previsão para a cotação do dólar permanece em R$ 5,20, ao final deste ano. Para o fim de 2021, a expectativa é que a moeda americana fique em R$ 5, contra previsão de R$ 5,05 da semana passada.

FONTE: AGÊNCIA BRASIL

 
MEC diz que resultado do Sisu sairá amanhã

MEC diz que resultado do Sisu sairá amanhã

Em todo país, mais de 814 mil estudantes estão na expectativa pelo resultado da primeira chamada do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que sai amanhã (14). 

Segundo o Ministério da Educação (MEC), mais de 50% desses estudantes - 424.991 mil - disputam 51.924 mil vagas ofertadas em 57 instituições públicas de educação superior do país. O período para matrícula da chamada regular será de 16 a 21 de julho.

Pela primeira vez, além dos cursos de graduação presenciais, o Sisu vai ofertar vagas na modalidade a distância (EaD). Além de terem feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019, os interessados não podem ter zerado a redação. Estudantes que fizeram o exame na condição de treineiros também não podem participar.

Seleção

Segundo o Ministério da Educação, o Sisu foi desenvolvido para selecionar os candidatos às vagas das instituições públicas de ensino superior que usarão a nota do Enem como única fase de seu processo seletivo.

De acordo com o edital do Sisu, a ordem dos critérios para a classificação de candidatos é a seguinte: maior nota na redação, maior nota na prova de linguagem, códigos e suas tecnologias; maior nota na prova de matemática e suas tecnologias; maior nota na prova de ciências da natureza e suas tecnologias e maior nota na prova de ciências humanas e suas tecnologias.

Lista de espera

O candidato que não foi selecionado em uma das duas opções, em primeira chamada, deverá manifestar seu interesse em participar da lista de espera, por meio da página do Sisu na internet, entre os dias 14 e 21 de julho. 

A partir daí, basta acompanhar as convocações feitas pelas instituições para preenchimento das vagas em lista de espera, observando prazos, procedimentos e documentos exigidos para matrícula ou para registro acadêmico, estabelecidos em edital próprio da instituição, inclusive horários e locais de atendimento por ela definidos. 

FONTE: AGÊNCIA BRASIL

 
Mulher de Queiroz volta para casa e cumprirá prisão domiciliar

Mulher de Queiroz volta para casa e cumprirá prisão domiciliar

Márcia Aguiar, mulher de Fabrício Queiroz, voltou à sua casa depois de conseguir liberação da Justiça para cumprir prisão domiciliar junto com o marido. A informação foi divulgada pelo advogado do casal, Paulo Emílio Catta Preta.

Márcia estava foragida desde 18 de junho, quando o Ministério Público fez uma operação para prender o casal. Naquele dia, Queiroz foi preso em Atibaia, São Paulo, na casa de Frederick Wassef, que, na época, era advogado da família do presidente Jair Bolsonaro. Queiroz deixou o complexo penitenciário de Bangu, no Rio de Janeiro, ontem (11).

A mulher de Queiroz, no entanto, não foi localizada na ocasião e era considerada foragida. Com o benefício da prisão domiciliar concedida ao casal, Márcia já está em casa, no bairro da Taquara, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro.

A Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) informou, por meio de nota, que aguarda o comparecimento de Márcia na Coordenação de Patronato Magarino Torres para para que seja instalada a tornozeleira eletrônica, conforme decisão judicial.

Queiroz é investigado em um esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, quando ele era assessor do então deputado estadual e hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

No dia 18 de junho, o senador Flávio Bolsonaro disse, pelo Twitter, que encarava a prisão do ex-assessor cm tranquilidade e que a verdade iria prevalecer.

FONTE: AGÊNCIA BRASIL

 
Image
Fatoverdade acima de tudo, representa a honra no jornalismo.

Conteúdo Popular