Dona de bar é morta a tiros em Pau da Lima

Dona de bar é morta a tiros em Pau da Lima

A dona de um bar de 48 anos foi morta a tiros, na Rua Recanto das Mangueiras, no bairro de Pau da Lima, localidade da Portelinha, em Salvador, na terça-feira (6).

De acordo com reportagem da RecordTV Itapoan, a vítima foi identificada como Kátia Silene da Silva, conhecida no bairro como “D. Kinha”. 

Segundo relato de populares, os suspeitos chegaram armados ao bar e chamaram a vítima pelo apelido. A mulher atendeu ao chamado e foi atingida por vários disparos à queima roupa. 

O crime será investigado pela 2ª Delegacia de Homicídios Central. 

FONTE: BNEWS

Comandante da PM afirma que ação que resultou em morte de soldado foi 'necessária': 'Colocou equipes em risco'

Comandante da PM afirma que ação que resultou em morte de soldado foi 'necessária': 'Colocou equipes em risco'

A operação de contenção do soldado Wesley Góes, morto após efetuar disparos contra guarnições da PM durante um surto no último domingo, 28, foi classificada como "necessária" pelo comandante-geral da Polícia Militar da Bahia, Paulo Coutinho.

Em coletiva de imprensa na manhã desta segunda-feira, 29, o comandante rebateu as críticas recebidas por diversos políticos e setores de que a operação teria sido conduzida de forma "desproporcional" e afirmou que os policiais envolvidos só efetuaram os disparos quando tiveram suas vidas postas em risco pela ação do soldado Wesley.

"Enquanto os disparos não estavam oferecendo riscos para a tropa e para as pessoas que circulavam, protegemos a integridade do soldado. Sempre temos esse cuidado, temos expertise de atender ocorrência dessa natureza. Foram utilizadas outras alternativas porém ele estava com uma arma de grande poder de letalidade e em determinado momento todos os recursos de isolamento e proteção foram esgotados", avaliou.

De acordo com o comandante, um inquérito policial será instaurado nas próximas semanas para averiguar o desenrolar dos fatos durante a ação e os procedimentos adotados pela corporação na contenção do PM.

"Ocorrências críticas possuem muitas motivações e só podem ser esclarecidas após a abertura do processo investigativo. Mas ali foi um típico caso de um individuo que estava passando por um transtorno mental e estava desconectado da realidade. As imagens falam por si só", disse.

Ainda de acordo com o comandante, apesar da grande movimentação de entidades ligadas ao corpo policial, não existe qualquer possibilidade de que a categoria se mobilize para uma paralisação geral.

"Temos que deixar bem claro que a PM é bem maior do que isso. Estamos com o alto comando da corporação em funcionamento para servir e proteger o cidadão. Qualquer manifestação de ordem política não cabe nesse momento".

FONTE: A TARDE

Policiais farão carreata nesta quarta em memória de soldado morto na Barra

Policiais farão carreata nesta quarta em memória de soldado morto na Barra

Policiais estão organizando uma carreata para esta quarta-feira (31) em memória do soldado Wesley Soares, que morreu no Farol da Barra após "surtar" e disparar contra os colegas.

De acordo com informações que circulam nas redes sociais, o grupo tem como ponto de partida a Balança do CAB, na Avenida Paralela, às 9h.

Na manhã de segunda-feira (29), um grupo de policiais fez um protesto na região do Farol da Barra, local onde Wesley morreu no último domingo (28). Os manifestantes chegaram a escrever o nome de Wesley Góes no chão do local e alegam que o PM foi executado.

O caso

O policial militar Wesley Soares trabalhava na 72ª CIPM, em Itacaré. Na tarde de domingo, ele foi até a companhia, buscou um fuzil e partiu para o Farol da Barra, em Salvador. Policiais já tinham percebido que ele estava descontrolado e o seguiram.

Assim que chegou ao ponto turístico, fez disparos para o alto e gritou palavras de ordem. Ele estava com o rosto pintado de verde e amarelo. A polícia isolou o local e iniciou uma negociação que durou mais de três horas.

Por volta das 18h30, o soldado fez uma contagem regressiva e atirou ao menos dez vezes contra o Bope, que atirou de volta e baleou o soldado. Ele chegou a ser socorrido, mas morreu às 23h.

FONTE: ASCOM CAMAÇARI

Polícia Civil do Paraná faz sua maior apreensão de cocaína da história

Polícia Civil do Paraná faz sua maior apreensão de cocaína da história

A Polícia Civil do Paraná realizou, nesta sexta-feira, dia 26, a maior apreensão de cocaína na história da corporação. Foram contabilizados 472 quilos deste entorpecente. Na mesma operação, deflagrada em Santa Fé, foram encontradas 2.790 ampolas de maconha líquida. De acordo com a PCPR, as drogas foram avaliadas em mais de R$ 40 milhões, sendo só a maconha equivalente a R$ 560 mil.

 

Três armas foram apreendidas, além do material entorpecente
Três armas foram apreendidas, além do material entorpecente Foto: Polícia Civil do Paraná

 

— Essa investigação começou na noite de ontem (quinta-feira, 25), quando o setor de inteligência recebeu uma denúncia de que um ônibus seria utilizado para o transporte de drogas. Ele sairia de Foz do Iguaçu e teria como destino o estado de São Paulo — afirmou o delegado Thiago Teixeira, acrescentando que o motorista ainda vai ser interrogado.

Os agentes também apreenderam três pistolas calibre 9 mm, que estavam dentro de um ônibus estacionado em um posto de combustíveis. Um homem foi preso em flagrante. O material a ser traficado estava escondido em um fundo falso e foi localizado com a ajuda de um cão farejador.

— Conseguimos no dia de hoje (sexta-feira, 26) localizar esse ônibus em Santa Fé, próximo a Maringá. Foi realizada a abordagem. O condutor do ônibus inicialmente relatou que teria vendido esse ônibus e o levaria para São Paulo para entregar para o proprietário — disse Teixeira, frisando que, a princípio, mais detalhes não serão fornecidos.

 

Operação contou com apoio de cão farejador da Polícia Civil

A ação teve o apoio da Polícia Rodoviária Federal e da Operação Hórus coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

 

Droga estava escondida em fundo falso dentro de ônibus

FONTE: EXTRA

Image
Fatoverdade acima de tudo, representa a honra no jornalismo.

Conteúdo Popular