Quase mil passageiros desembarcam do navio afetado pelo coronavírus

Quase mil passageiros desembarcam do navio afetado pelo coronavírus

Novecentas e setenta pessoas deixaram o cruzeiro Diamond Princess, ancorado no Porto de Yokohama, nas proximidades de Tóquio, em três dias, até essa sexta-feira (21). Cerca de 300 passageiros e 1.000 tripulantes continuam na embarcação afetada pelo novo coronavírus.

A quarentena de 14 dias, imposta por autoridades do setor de saúde do Japão, foi concluída na quarta-feira (19). As pessoas que não apresentam sintomas, e cujos testes para o vírus deram negativo, foram autorizadas a deixar o navio. As autoridades estão pedindo às pessoas que retornaram às suas residências que evitem sair de casa e monitorem as condições de saúde por duas semanas.

Um total de 634 pessoas contraiu o vírus a bordo da embarcação. Dois passageiros idosos morreram na quinta-feira.

Os passageiros que ainda estão no cruzeiro incluem cerca de 100 pessoas, cujos testes deram negativo mas compartilharam uma cabine com infectado. Eles serão transferidos para uma instalação preparada pelo governo japonês, para permanecer no local por um período adicional de 14 dias.

Autoridades sanitárias e a operadora do cruzeiro planejam discutir as condições que permitirão que os tripulantes deixem a embarcação.

Norte-americanos infectados pelo coronavírus

O órgão americano Centro para Controle e Prevenção de Doenças anunciou ontem que 18 pessoas que retornaram ao país, após cruzeiro a bordo no navio Diamond Princess, receberam o diagnóstico positivo para infecção pelo novo coronavírus.

Elas fazem parte de um grupo de passageiros que voou de volta aos Estados Unidos (EUA) em um avião fretado pelo governo americano, e que estava a bordo do navio sob quarentena. Não está claro se o número declarado pelo órgão inclui os 14 casos confirmados antes da partida do voo.

Autoridades norte-americanas advertem que o número de infecções entre os que retornaram pode aumentar ainda mais. O avião transportou mais de 300 pessoas.

Alguns canadenses que estavam no navio retornaram ao país nessa sexta-feira. Por sua vez, autoridades daesaúde pública da Austrália informaram que seis pessoas que estavam no navio foram diagnosticadas com a infecção pelo vírus após retorno ao país. Inicialmente, os resultados dos testes dessas pessoas haviam sido negativos.

Uma israelense que estava no cruzeiro também foi diagnosticada positivamente para o vírus. Autoridades do país informaram que ela estava entre os 11 cidadãos israelenses a bordo do navio, que retornaram na sexta-feira. Informam ainda que a infecção da mulher não ocorreu em Israel e trata-se do primeiro caso do país.

*Emissora pública de televisão do Japão

FONTE: AGÊNCIA BRASIL

Mundo lembra psiquiatra que descreveu a Síndrome de Asperger

Mundo lembra psiquiatra que descreveu a Síndrome de Asperger

O Dia Internacional da Síndrome de Asperger é lembrado hoje em todo o mundo. A data marca o nascimento do psiquiatra e pediatra austríaco Hans Asperger, primeiro médico que descreveu esse transtorno, em 1944.

Em entrevista à Agência Brasil, a neuropediatra Deborah Kerches, diretora do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Infantojuvenil de Piracicaba (SP), lembrou que Asperger observou crianças que apresentavam falta de empatia, dificuldade de fazer amizades, conversação unilateral, hiperfoco, ou foco intenso, movimentos descoordenados e habilidade em decorrer sobre um tema em detalhes. O quadro ocorria, preferencialmente, em meninos. Hans Asperger viveu de 1906 a 1980. Seu livro A psicopatia autista na infância foi traduzido do original em alemão para o inglês em 1980, por Lorna Wing.

A Síndrome de Asperger foi incorporada ao Manual Estatístico e Diagnóstico de Transtornos Mentais 4 (DSM, do nome em inglês) em 1995, sendo descrita como um subtipo dos transtornos globais do desenvolvimento. Com a atualização do DSM 5, as pessoas com Síndrome de Asperger foram enquadradas no termo Transtorno do Espectro Autista nível 1, que é um quadro mais leve e funcional do espectro do autismo.

Membro da Academia Brasileira de Neurologia e especialista em Transtorno do Espectro Autista e Saúde Mental Infantojuvenil, a doutora Deborah Kerches deixou claro que a Síndrome de Asperger é um “espectro do autismo mais funcional, sem atraso intelectual ou atrasos importantes na aquisição da fala, porém com dificuldades na socialização, interesses restritos e estereotipados, com hiperfoco em determinado assunto”.

Identificação

Deborah Kerches explicou que muitos pais podem ter dificuldade para identificar que a criança tem a Síndrome de Asperger, porque os sintomas na infância costumam passar despercebidos. “Não é notado atraso intelectual e importantes atrasos na aquisição da fala”. A neuropediatra admitiu que algumas crianças podem, inclusive, desenvolver a fala de maneira precoce e ter um vocabulário amplo e rebuscado, além de ter outras habilidades precoces para a idade. “Devido ao fato de apresentarem recursos cognitivos favoráveis, as dificuldades de socialização acabam sendo mais percebidas quando as demandas sociais aumentam. Então é possível notar reciprocidade social inadequada, dificuldade em iniciar e manter um diálogo, especialmente quando não é de interesse, e rigidez comportamental”.

Por outro lado, ela afirmou que crianças e adolescentes com Asperger costumam se interessar por áreas específicas, mostrando conhecimento detalhado sobre elas. Acrescentou que, na escola, não costumam apresentar dificuldades pedagógicas e, muitas vezes, podem se destacar em algumas matérias, em detrimento de outras que não lhes interessam.

Dificuldades

Segundo a médica, embora não apresentem atrasos na aquisição da linguagem verbal e até possam fazer uso de uma linguagem rebuscada, crianças e jovens com esse transtorno podem ter dificuldades para iniciar e manter uma conversa. Mostram também dificuldade para entender piadas, metáforas, mímicas faciais e linguagem corporal, por exemplo.

“Embora os sintomas desse espectro autista sejam considerados mais leves por muitos, há dificuldades em fazer amigos, em entender sutilezas e regras sociais, dificuldade em abstrair, em se adaptar a novas rotinas e de se sentir pertencendo a um grupo social. Alterações sensoriais relacionadas a uma ou mais portas sensoriais como visão, audição, olfato, tato, paladar, propriocepção (capacidade em reconhecer a localização espacial do corpo) e sistema vestibular podem contribuir para a dificuldade de socialização. Pessoas com Asperger são sinceras demais e até mesmo ingênuas”, revelou Deborah.

A doutora explicou que a maioria das pessoas com Síndrome de Asperger consegue, na vida adulta, entrar no mercado de trabalho e constituir família. Para que isso ocorra, entretanto, é necessário que esse transtorno seja identificado precocemente por especialista, para que suas habilidades sociais possam ser trabalhadas.

Destacou, por outro lado, que as dificuldades e prejuízos da Síndrome de Asperger ou TEA leve, especialmente na adolescência e na vida adulta, podem resultar em outras condições associadas, entre as quais mencionou depressão, ansiedade, síndrome do pânico, “porque o esforço para se sentir pertencendo a um grupo social e conseguir lidar com as demandas de cada contexto social é tamanho que pode trazer grandes sofrimentos psíquicos”.

Recomendação

Para os pais que perceberem algo diferente no filho ou filha, seja alguma reação esquisita ou mesmo falta de reação diante de um estímulo, Deborah recomendou que ajam imediatamente, no sentido de buscar apoio de um especialista para um diagnóstico correto. “Quaisquer que sejam os prejuízos observados na comunicação e interação social ou no comportamento que se apresenta mais rígido, inflexível e estereotipado, isso merece investigação o mais precoce possível para que se possa iniciar um tratamento especializado e, assim, minimizar as possíveis dificuldades e desenvolver as potencialidades, possibilitando melhor qualidade de vida”.

Deborah Kerches observou que as pessoas com Síndrome de Asperger apresentam os sintomas mais leves conhecidos dentro do espectro autista. Acrescentou que a síndrome não deve ser chamada de doença, porque quem tem esse transtorno tem um quadro para toda a vida. Não é uma doença, porque não pode ser curada, afirmou.

FONTE: AGÊNCIA BRASIL

Número de mortes pelo coronavírus chega a 490 na China

Número de mortes pelo coronavírus chega a 490 na China

Autoridades de saúde da China informaram que mais 65 pessoas morreram na província de Hubei nessa terça-feira (4) em decorrência do novo coronavírus. A mais recente atualização eleva o número total de mortes na China para 490.

O número de pacientes infectados aumentou em 3.887, com o total alcançando 24.324 pessoas no país.

Casos da nova variante do coronavírus foram confirmados em 27 países e regiões além da China. O número total de pessoas infectadas fora da China continental já chega a 226.

Os casos confirmados incluem 33 no Japão, 25 na Tailândia, 24 em Singapura, 18 em Hong Kong, 18 na Coreia do Sul, 13 na Austrália, 12 na Alemanha, 11 nos Estados Unidos e 11 em Taiwan.

Malásia, Macau e Vietnã têm 10 casos confirmados cada, enquanto a França confirmou seis, os Emirados Árabes, cinco e a Índia, três casos.

Canadá, Itália, Reino Unido, Rússia e Filipinas têm dois casos cada confirmados. Nepal, Camboja, Sri Lanka, Finlândia, Suécia, Espanha e Bélgica têm um caso confirmado por país.

Até o momento, uma pessoa nas Filipinas e uma em Hong Kong morreram em decorrência do coronavírus.

Sem sintomas

Cientistas no Japão dizem que uma em cada duas pessoas afetadas pelo novo coronavírus pode ter sido infectada por outra pessoa que não apresentava sintomas no momento. O estudo sugere que o vírus tem a habilidade de se espalhar significativamente durante o período de incubação.

Uma equipe de pesquisa da Universidade de Hokkaido, liderada pelo professor Hiroshi Nishiura, analisou dados de 52 pacientes de países que incluem China e Alemanha, onde um estudo já havia sido feito para rastrear o vírus.

O grupo pesquisou o período de tempo entre o surgimento dos sintomas e a manifestação deles em outra pessoa suspeita de ter sido infectada por esse paciente. O grupo descobriu que o período de incubação médio foi de 3,8 dias, mais curto que os 5 dias que haviam sido relatados anteriormente.

Os cientistas realizaram outras análises, utilizando hipóteses de que cada pessoa infectada transmite o vírus para 2,2 pessoas. Eles dizem que a análise revelou que um em dois pacientes pode ter sido infectado por pessoas que não apresentavam sintomas.

A equipe afirma que apesar de o estudo ser pequeno, mostra a necessidade de um mecanismo médico para proteger aqueles que tendem a desenvolver sintomas graves, incluindo idosos e pessoas com condições preexistentes.

*Emissora pública de televisão do Japão

FONTE: AGÊNCIA BRASIL

Confrontos entre palestinos e israelenses aumentam no Oriente Médio

Confrontos entre palestinos e israelenses aumentam no Oriente Médio

Pouco mais de uma semana após o presidente dos Estados Unidos ter divulgado o plano da Casa Branca para o Médio Oriente, vários confrontos foram registrados entre palestinos e israelenses na região. Só nesta quinta-feira (6), dois palestinos morreram e cerca de 15 israelenses ficaram feridos em episódios violentos na Cisjordânia.

Vários ataques aéreos israelenses foram dirigidos à Faixa de Gaza em resposta aos morteiros disparados pelos militantes palestinos contra território de Israel.

A polícia israelense comunicou que um dos seus agentes foi baleado quando se encontrava em serviço na fronteira de Jerusalém, tendo as forças de segurança respondido a tiro contra os atacantes.

Perto deste local do tiroteio, havia sido registrada uma tentativa de atropelamento de vários militares israelenses.

Eleições em Israel

A menos de um mês das eleições legislativas em Israel, o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, voltou a reforçar as garantias de segurança: “O terror não vai nos dominar, vamos vencer.”

“A crescente resistência do nosso povo na Cisjordânia e a sua resistência em Jerusalém são uma resposta ativa contra o acordo de Trump”, declarou um militante do grupo Hamas.

O descontentamento dos palestinos é por causa do acordo desenhado por Jared Kuschner, genro do presidente norte-americano que vem desempenhando o papel de enviado especial à região, e começou assim que Trump surgiu ao lado de Netanyahu, em uma cerimônia que ocorreu na semana passada, em Washington, para apresentar o plano aos jornalistas.

A ausência de representantes palestinos foi um primeiro sinal do descontentamento daquela que é uma das partes mais interessadas em uma solução de paz para a região.

Por outro lado, a proposta foi imediatamente elogiada por Israel, já que garante um poder cada vez maior sobre grande parte do Vale do Rio Jordão, a oeste da fronteira com a Jordânia. Um domínio que se manifesta igualmente em parte considerável da Cisjordânia.

Acordo com o Médio Oriente

O plano apresentado pelo presidente americano foi apresentado como uma solução realista de dois Estados, garantindo simultaneamente que “nenhum palestino ou israelense poderá ser retirado de sua casa”.

“Eu fiz muito por Israel. É razoável que eu tenha de fazer muito pelos palestinos também, ou não seria justo. Eu quero que o acordo seja bom para eles também”, garantiu ainda Donald Trump.

O plano, que inclui um investimento de US$ 50 bilhões e que prevê gerar mais de 1 milhão de postos de trabalho nos próximos dez anos na Palestina não chegou, contudo, para convencer a parte palestina, que nunca se sentou à mesa com os americanos ou com os israelenses.

“É o acordo mais difícil do mundo, mas nós temos de fazê-lo, é uma obrigação para com a humanidade”, disse Trump, que já conseguiu o apoio de vários países árabes na região.

FONTE: AGÊNCIA BRASIL

Polícia de Londres abate homem que apunhalou ao menos duas pessoas

Polícia de Londres abate homem que apunhalou ao menos duas pessoas

A polícia de Londres abateu, neste domingo (2), um homem que apunhalou pelo menos duas pessoas na rua em Streatham, na zona sul da capital britânica. O incidente é considerado pelas autoridades como um ato terrorista.

“Um homem foi abatido por agentes armados em Streatham. Nesta fase acreditamos que um número de pessoas tenha sido apunhalado. As circunstâncias estão a ser averiguadas; o incidente foi declarado como relacionado com terrorismo”, declararam as forças policiais, que já confirmaram haver duas pessoas feridas.

A Polícia Metropolitana de Londres, também conhecida como Met, pediu à população que evite a área do incidente.

As autoridades já confirmaram que o homem alvejado pela polícia está morto. “Podemos confirmar que o homem abatido pela polícia na Streatham High Road (sul de Londres) foi declarado morto”, declarou a Met.

No local, para além da polícia encontram-se serviços de emergência médica.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, reagiu ao incidente. “Agradeço a todos os serviços de emergência que estão a dar resposta ao incidente em Streatham, que a polícia declarou como ato terrorista. O meu pensamento está com os feridos e todos os que foram afetados”, escreveu no Twitter.

Também o presidente da Câmara de Londres, Sadiq Khan, agradeceu às autoridades e aproveitou para lançar um aviso. “Os terroristas querem dividir-nos e destruir a nossa forma de viver – aqui em Londres nunca os deixaremos ser bem-sucedidos”.

O incidente acontece dois meses depois de a polícia britânica ter matado um homem na London Bridge, no centro da cidade, depois que ele matou duas pessoas e feriu três. 

FONTE: AGÊNCIA BRASIL

Image
Fatoverdade acima de tudo, representa a honra no jornalismo.

Conteúdo Popular