Itens filtrados por data: Domingo, 31 Março 2019

Detido preventivamente há quase 600 dias, o ex-ministro Geddel Vieira Lima já conhece bem o protocolo no centro de detenção provisória da Papuda, em Brasília. Os detalhes do comportamento do ex-cacique do MDB da Bahia foram revelados pela revista Veja, nesta semana. A reportagem feita por Thiago Bronzatto relata dois episódios em que o baiano perdeu o controle. Um deles foi após encontrar o irmão, o ex-deputado estadual Lúcio Vieira Lima (MDB). 

“Os dois se encontraram na sala do chefe de pátio, conversaram por uma hora e, emocionados, despediram-se com um abraço, como de costume. Lúcio dirigiu-se à saída, enquanto Geddel caminhava em direção à cela. Nesse momento ele foi informado de que seria submetido a uma revista íntima — procedimento em que o preso é obrigado a se despir completamente para que os carcereiros verifiquem se ele esconde algo no corpo. Geddel protestou, indignado com o tratamento humilhante e injustificado”, diz trecho da reportagem.

O episódio terminou em confusão. “Descontrolado e aos gritos, o ex-ministro tirou a camisa e a bermuda e, nu, avançou em direção a um dos agentes: “Quer ver meu pinto, seu p…?!”. Houve correria no pátio. Lúcio, que estava de saída, voltou para ver o que acontecia. Nervoso, o ex-ministro foi contido por um segundo carcereiro, vestiu-se e foi levado para o seu pavilhão, onde ficam os presos considerados vulneráveis, como políticos, idosos e os que são alvo de algum tipo de ameaça. Mas a confusão não terminara. A direção da penitenciária, informada sobre o episódio, determinou que Geddel fosse levado a uma delegacia de polícia e orientou os agentes a registrar queixa contra ele por crime de desacato à autoridade. Quando soube disso, o ex-ministro pediu desculpas aos carcereiros e propôs encerrar o assunto sem o boletim de ocorrência. Não foi atendido. Geddel ficou ainda mais irritado, avançou novamente sobre os carcereiros e acabou algemado”, informa outro trecho da reportagem. Na delegacia, o ex-ministro preferiu ficar em silêncio. Disse que só daria sua versão sobre a acusação de desacato na presença de um advogado. A polícia abriu um inquérito. 

Após o ocorrido, quando voltou para a Papuda, Geddel soube que seria punido com dez dias de isolamento, sem acesso à cantina, sem poder ver televisão e proibido de receber visitas, por isso, iniciou greve de fome. O ex-ministro alegou que não podia ingerir a mesma comida que os demais presos. Precisava comprar suas refeições na cantina. “O interno insiste em ter acesso à cantina”, registraram os agentes em relatório encaminhado à direção da penitenciária. Os carcereiros anotaram ainda: “Como o fato narrado é incomum na rotina carcerária, fizemos um documento de controle de entrega de refeições e solicitamos que o interno o assinasse para que ficasse registrado que ele se recusa a receber a alimentação”. Geddel não assinou o documento e também rejeitou o banho de sol”.

De acordo com os carcereiros, Geddel tem problemas em lidar com a hierarquia e não costuma aceitar ordens. Em março do ano passado, ele estava na fila da cantina quando recebeu um esbarrão de um detento. O ex-ministro reclamou, disse que aquilo era desnecessário e que bastaria o colega pedir licença que ele o deixaria passar. O detento não gostou da lição de bons modos, voltou e deu outro empurrão em Geddel — e, depois, pediu licença. “Agora está bom?”, perguntou, em tom desafiador. O desentendimento quase terminou em briga. De novo, o caso foi parar na delegacia, onde o ex-­ministro acabou por não registrar a queixa de agressão, com a justificativa de que recebera um pedido de desculpa.
“Geddel vem demonstrando comportamento inadequado, inclusive com fortes indícios da prática de crime e da tentativa de subverter a ordem e a disciplina penitenciárias”, escreveu a juíza Leila Cury, da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, em um despacho anexado ao dossiê. 

Em outra anotação do prontuário, um agente conta ter percebido que o ex-ministro estava agindo de maneira estranha na cela. Por prevenção, decidiu-se fazer uma inspeção no local. Foram encontrados onze tipos de medicamento, mais de 200 comprimidos ao todo. Um laudo médico anexado ao dossiê constatou que “se todas essas substâncias fossem ingeridas em sua totalidade poderiam causar a morte”. O ex-ministro chegou a ser levado ao Instituto de Medicina Legal para ser submetido a um exame, mas não permitiu ser periciado por “determinação de seu advogado”. 

Acusado de lavagem de dinheiro e associação criminosa, Geddel foi preso preventivamente depois que a Polícia Federal apreendeu R$ 51 milhões escondidos num apartamento em Salvador. No fim do ano passado, a defesa dele tentou pela última vez conseguir sua liberdade. O pedido de habeas-corpus foi negado pelo Supremo Tribunal Federal. 

Publicado em Brasil

O governador Rui Costa (PT) confirmou, nesta segunda-feira (1º), durante visita à nova Avenida 29 de Março, em Salvador, que a nova presidência da Empresa Baiana de Águas e Esgoto (Embasa) não será indicada por partido político.

O espaço vinha sendo disputado dentro da base aliada, principalmente pelo PP do vice-governador João Leão. A informação foi passada pelo chefe do Executivo ao ser questionado sobre os últimos ajustes que ainda faltam no segundo escalão do governo.

"Eu não vou fazer decisão açodada, porque a mim interessa alcançar os dois objetivos, a melhor combinação entre o nome técnico e o equilíbrio entre os diversos grupos. Alguns são da cota do governador, como a Embasa, mas ainda estou buscando o perfil técnico para o nome que atenda plenamente os desafios atuais", disse.

"Estamos fazendo escolhas com perfil técnico, tenho olhado com cautela e buscando o equilíbrio político dos diversos grupos. O que falta é encontrar essa combinação do equilíbrio político com perfil técnico", afirmou Rui Costa.

Ainda durante a entrevista, o governador revelou que busca um nome para gerir a pasta que seja capaz de administrar a empresa em parceria com a iniciativa privada. "Nós não temos recursos para a infraestrutura, isso vale também para a área de água e esgoto, não temos mais recurso público do governo federal para ajudar os estados na realização de obras de água e esgoto. A Embasa vai ter que se virar sozinha com recursos do governo do estado e recursos próprios. Queremos ampliar os investimentos através de parceria com a iniciativa privada através da Embasa. Queremos ampliar muito e estou buscando uma pessoa que consiga fazer isso rapidamente para que nos quatro anos a gente consiga resolver problemas urgentes de abastecimento e esgotamento sanitário em várias cidades da Bahia", contou.

Publicado em Brasil

Comemorações pelo aniversário da contra-revolução de 31 de Março de 1964 aconteceram em todo país neste domingo (31). Em São Paulo, no entanto, a festa terminou em agressão violenta. Segundo testemunhas, manifestantes contrários ao ato que acontecia na Paulista, começaram a provocar quem estava na comemoração. Em dado momento, as agressões deixaram de ser verbais e passaram para a violência física. Cerca de 50 pessoas se envolveram na confusão. O manifestante Leandro Mohallem, que trabalha como assessor da Deputada Federal Carla Zambelli (PSL), foi o que mais se feriu. Mohallem foi jogado no chão e agredido com um cabo de madeira e até com uma pistola de “teaser”. O assessor conta que os agressores tinham a clara intenção de matar. Já no hospital, após levar pontos na cabeça, ele conta: “bateram para matar. Eles são covardes, me jogaram no chão, chutaram a minha cabeça”. No vídeo, uma mulher usando uma blusa com a bandeira do Brasil. mostra o braço machucado. Ela também foi agredida durante a ação.

Segundo a polícia militar, um dos criminosos foi detido. As outras pessoas que ficaram feridas estão sendo atendidas no Hospital da Barra Funda.

O nome dos agressores não foi divulgado. O Deputado Estadual Douglas Garcia (PSL) prestou solidariedade aos feridos e garantiu que acompanhará o caso e que não desta que os responsáveis sejam punidos.

“Estou acompanhando o caso na Delegacia e o Delegado já disse que assim que terminar as oitivas, me dará um parecer. Não vou descansar até que esses criminosos sejam punidos!”, publicou em suas redes sociais.

Publicado em Brasil

O presidente da República, Jair Bolsonaro, informou através da conta dele no Twitter neste sábado (30/3), que o ministério da Economia estuda reduzir impostos de empresas para aumentar a atividade empresarial e consequentemente o emprego no país.

Ministério da Economia estuda reduzir impostos de empresas, gerando competitividade interna, empregos, barateamento do produto e competitividade também no exterior, a exemplo de @realDonaldTrump , nos EUA.

A ideia seria a troca da cobrança de Imposto de Renda sobre os dividendos. Atualmente, as empresas do Brasil que lucram mais de R$ 20 mil por mês pagam 25% de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e 9% Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), totalizando 34%.

Em compensação, desde 1995, o Brasil não cobra Imposto de Renda sobre dividendos (parcela do lucro distribuída aos acionistas de uma empresa), na contramão da prática internacional.“, twittou o presidente.

 

Publicado em Brasil

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, humilhou “especialistas” da grande mídia durante coletiva na última quinta-feira (28/3), concedida após o leilão da Ferrovia Norte-Sul.

Ele explicou em detalhes e tirou dúvidas sobre o valor de outorga, enquanto isso as ironias inevitáveis surgiam e ele as disparava causando risos. Tarcísio chegou a oferecer o Nobel da Economia ao especialista que concluiu absurdos na mídia e questionou a publicação, sem no entanto citar o veículo ou nomes.

No currículo do ministro Gomes constam: Engenharia (AMAN); Engenheiro Civil (IME); Companhia de Engenharia na Missão de Paz no Haiti; ex-DNIT; ex-PPI.

Publicado em Brasil

A jornalista e deputada federal, Joice Hasselmann, informou na conta do Twitter dela, no sábado (30/3), que em Gaza cinco foguetes foram lançados contra Israel a noite.

A tensão entre os dois países não é novidade.

Segundo ela não há notícia de feridos.

Publicado em Mundo

Faleceu na sexta-feira (29/3), no Recife, aos 74 anos de idade, o advogado e ex-prefeito de São Lourenço da Mata, Ettore Labanca.

Ettore foi prefeito de São Lourenço por quatro mandatos e era presidente da Agência Reguladora de Pernambuco (Arpe).

Labanca estava internado no Real Hospital Português, no Centro do Recife, desde 12 de janeiro e faleceu devido a uma infecção generalizada. Ele deixa esposa, três filhos e dois netos.

Publicado em Brasil

Grupo Fato Verdade. Sua verdade na web.

Informações de qualidade, sem firulas, sem achismo

Galeria de Fotos